terça-feira, 27 de maio de 2008

Viagem à Cachoeira de Tijuípe na visão de Walter Portela

Passeio à Cachoeira de Tijuípe
wpmeireles:.

A Cooperativa de Turismo (COOPERBOM) realizou neste domingo passado (25/5/08) um pequeno passeio - como ensaio para os longos – que consideramos um verdadeiro sucesso pelos momentos de confraternização espontâneas, saindo de Ilhéus, na trajetória de uma hora de transcurso em asfalto, no deslocamento e na estada durante o dia nessa localidade.

Lugar essencialmente tranqüilo, só inquieto no que tange à cachoeira com seu murmurar das águas que escorrem pelas grandes pedras em finas camadas, numa extensão de uns vinte metros de largura por outros tantos de queda, formando um verdadeiro “véu de noiva” impressionante!
Enquanto esse detalhe chama a atenção, em torno a paisagem bucólica predomina com seu verde intenso, caracterizando sem dúvida, um trecho da reserva ainda da Mata Atlântica, que o homem felizmente resolveu conservar, faz-se supor já por caules exuberantes de árvores centenárias.
O pequeno rio ou grande riacho corre célere por leito pedregoso e muito escorregadio pela fartura de limo, enquanto o sol incide apropriadamente na correnteza gelada nos estimulando ao banho muito gostoso com partes de rasos e fundos para nadar.
Quanto às instalações, de bom gosto, com bar e restaurante condizente com a expectativa.
Tiramos belas fotos não só dali, mas também do alto de Serra Grande, onde o mar imenso se faz admirar. No caminho paramos na “Casa das Empadas” e nos fartamos desse quitute delicioso.
Em casa, e ainda agora, lembramos o interlúdio de Paz inesquecível na Cachoeira de Tijuípe.
Obrigado a toda a equipe da Cooperbom Turismo por tão adorável passeio.

domingo, 18 de maio de 2008

Congratulações ao Professor Sócrates Moquete - UESC- Ilhéus - Ba

A Cooperbom Turismo através de seu diretor Presidente Cel. Winston Meireles e sua Assistente da Diretoria Maria Morais, estiveram presentes na passagem de cargo do Colegiado do Curso de Economia da Universidade Estadual de Santa Cruz - UESC, departamento ao qual pertece o Curso de Economia das Sociedades Cooperativas em cujo o nosso Diretor Presidente é um dos especializandos.
Na foto abaixo, o Professor Fernando Rios (Coordenador do Curso de Economia) e o Professor Sócrates Moquete (empossado para o colegiado) ao lado dos nossos representantes.
Ao Professor Sócrates desejamos uma ótima gestão!


Encontro dos Clubes da Melhor Idade da Região Sul da Bahia

A Cooperbom Turismo enobrece a terceira idade pois valorizamos a experiência que só eles podem passar para as futuras gerações.

Ocorreu em nossa sede, um encontro dos Clubes da Melhor Idade da Região e queremos deixar aqui o nosso carinho, desejamos que sintam-se em casa na sede da COOPERBOM TURISMO.

Felicidades a todos!

Recuperação de Áreas Degradadas

A degradação de uma área, independentemente da atividade implantada, verifica-se quando: a) a vegetação e, por conseqüência, a fauna, são destruídas, removidas ou expulsas; e b) a camada de solo fértil é perdida, removida ou coberta, afetando a vazão e qualidade ambiental dos corpos superficiais e/ou subterrâneos d’água. Quando isso ocorre, reflete-se na alteração das características físicas, químicas e biológicas da área, afetando seu potencial sócio-econômico.
A recuperação se dá através da definição de um plano que considere os aspectos ambientais, estéticos e sociais, de acordo com a destinação que se pretende dar à área, permitindo um novo equilíbrio ecológico.
Na década de 70, a preocupação das nações industrializadas com as questões ambientais levou à convocação, pela ONU, da Reunião Mundial sobre o Meio Ambiente Humano – a Estocolmo 1972 – da qual resultou uma declaração com 21 princípios voltados, basicamente, para o controle da poluição hídrica. Na década de 80, a Conferência de Nairóbi – a Nairóbi 1982 –, convocada para uma avaliação da situação e, principalmente, dos resultados da aplicação dos princípios da anterior, concluiu que era necessário avançar no processo. Foram selecionadas duas prioridades: a criação de unidades de conservação e a recuperação de áreas degradadas. Na década de 90, a Rio 92 – Conferência para o Meio Ambiente e Desenvolvimento centrou-se nas questões de interesse coletivo, como o efeito estufa, a biodiversidade, e específicas, como a pobreza, a fome e a necessidade de atingir-se um desenvolvimento sustentado para o qual era fundamental a participação comunitária nas decisões de políticas de desenvolvimento. A Carta do Rio, documento final da reunião, alinhou os 27 princípios sobre desenvolvimento e meio ambiente. Em outras palavras, de uma posição meramente controladora de danos ambientais partiu-se para uma posição conservacionista e recuperadora e, finalmente, para uma proposição de políticas globais de apropriação e uso dos recursos naturais.
Desde 1986, e de forma mais contundente na Constituição Federal editada em outubro de 1988, toda atividade que produza danos ambientais deve arcar com as medidas de mitigação dos impactos e de recuperação ambiental.

Fonte: Ambiente Brasil in http://www.ambientebrasil.com.br/

Meio Ambiente

A Cooperbom Turismo, é uma cooperativa centrada nas vertentes do turismo, da cultura e do lazer, por ser um projeto desenvolvido para ter um direcionamento responsável e sustentável, também engloba as questões ambientais, estamos estudando as diversas transformações ambientais pelas quais passamos. Doravante, estaremos em contato com cooperados e amigos que aderiram e aqueles que ainda farão parte do nosso projeto através de uma série de textos voltados às questões ambientais para que todos tenham conhecimento do meio em que vivemos e pelo qual devemos lutar.
Maria C. Morais
Ass. Diretoria
Estudante de Gestão Ambiental

Corredor biológico pode ser conceituado como uma grande extensão de ecossistemas naturais interligados por um conjunto de unidades de conservação tanto públicas quanto particulares, que permite uma maior oxigenação genética, possibilitando a manutenção da biodiversidade com seus processos evolutivos.
Na verdade os corredores biológicos podem ser implementados em qualquer tipo de bioma ou ecossistema, mas é para a proteção das florestas tropicais que foi praticamente criado e desenvolvido.
Objetivos principais:
- a conservação in situ da biodiversidade de determinada área natural, através da integração das unidades de conservação;
- implementação de unidades modelos em áreas de alta prioridade de biodiversidade;
- incentivar a expansão de RPPNs (Reserva Particular do Patrimônio Natural) e preservar grandes blocos de florestas através da integração das populações envolvidas.
Em termos de direito ambiental um corredor ecológico pode ser considerado como uma forma administrativa de preservação ambiental, fazendo parte do sistema nacional de proteção ao meio ambiente.
O Brasil é possuidor de cerca de 1/3 do remanescente das florestas tropicais do planeta, encontra-se privilegiadamente na posição de país de maior diversidade biológica do mundo, graças evidentemente as suas florestas, pois estes ecossistemas são reconhecidos como de grande biodiversidade. Um grande percentual dos animais como mamíferos, aves e répteis, bem como plantas estão na região florestal brasileira. Só na Floresta Atlântica encontramos mais de 73 espécies de mamíferos, 160 de aves, 128 espécies de anfíbios e cerca de 20.000 espécies de plantas, o que a torna uma das mais exuberantes e importantes florestas do globo.
Na região amazônica a atividade agrícola e a exploração da madeira vêm trazendo grande impacto ambiental, com perdas atuais por volta de 14 mil km2 de sua área verde, perdendo já cerca de 8% da área total da floresta; além disso, as queimadas vêm contribuindo com 10% das emissões mundiais de gás carbônico. Há, ainda, desperdício de madeira pois aproveita-se apenas parte desta, além da erosão dos rios pelo desmatamento.
A situação está caminhando para um futuro caos ambiental, pois as unidades de conservação estão praticamente no papel e a filosofia preservacionista era até pouco tempo no sentido de apenas delimitar áreas de preservação, sem nenhuma atuação protetiva adicional.
O entendimento de que a opção pela formação de ilhas biológicas é a melhor está mudando, entendendo-se agora que para a manutenção da biodiversidade é necessário manter estas ilhas interligadas, pelo que se denomina corredor biológico.
Uma das maiores dificuldades, enfrentadas pelas atuais unidades de conservação, é o seu crescente isolamento de outras áreas naturais. Por isso, já que a conservação da biodiversidade requer não somente a preservação de espécies, mas também a diversidade genética delas, é essencial proteger múltiplas populações da mesma espécie.
Além disso, populações isoladas são mais vulneráveis a eventos demográficos e ambientais aleatórios, tomando-as mais suscetíveis à extinção local.
O planejamento em conservação deve deixar de considerar áreas únicas, e sim estruturas de rede, levando em consideração a dinâmica da paisagem e o inter-relacionamento necessário entre áreas protegidas. A aplicação de modelos biogeográficos deixa clara a necessidade da preservação de extensas áreas, de modo a tornar o sistema ecologicamente viável.
Uma maneira de conservar a biodiversidade é montar projetos que tem como objetivos a conservação in situ da biodiversidade das florestas tropicais, através da integração das unidades de consevação; implementação de unidades modelos em áreas de alta prioridade de biodiversidade; incentivar a expansão de RPPNs (Reservas Particulares do Patrimônio Natural) e preservar grandes blocos de florestas através da integração das populações envolvidas.
Portanto, a formação de corredores biológicos é de suma importância na tentativa de preservação ambiental, sendo uma forma moderna e que traz esperança na luta pela melhor qualidade ecológica de nossas florestas e conseqüentemente de preservação da nossa riquíssima biodiversidade.
fonte: Ambiente Brasil in http://www.ambientebrasil.com.br/

quarta-feira, 7 de maio de 2008

cachoeira do tijuipe

Porto Sul ameaça litoral baiano


Um grande crime ambiental está prestes a ser cometido no litoral baiano, sem divulgação, sem alarde. O governo baiano anunciou, no início deste ano, a construção de um porto internacional para escoamento de minério de ferro e um novo aeroporto no litoral entre Ilhéus e Itacaré – em plena Área de Proteção Ambiental (APA) da Lagoa Encantada.
Essa região foi objeto de um estudo do New York Botanical Gardens e do Centro de Pesquisa da Lavoura Cacaueira (CEPLAC), que ali encontraram a floresta com maior biodiversidade do mundo – mais de 450 espécies arbóreas por hectare!
Além de árvores, a região hospeda muitas espécies ameaçadas de extinção, como o macaco prego de peito amarelo (Cebus xanthosternos), mutum do nordeste (Mitu mitu mitu) e a preguiça de coleira (Bradypus torquatus).
Agora, querem construir lá uma ferrovia, minérioduto, retroporto e aeroporto. O receio dos ambientalistas é de que as áreas protegidas e a economia do turismo sejam comprometidas irreversivelmente pela nova lógica de povoamento da costa – o que inclui imensa área de beneficiamento de minério de ferro, similar ao que ocorre na Grande Vitória, propagando fuligem mineral em um raio de 30 quilômetros.
O mais grave: sem estudo de impactos ambientais, o governo decretou como utilidade pública área de 1780 hectares para minerioduto e retroporto. O aeroporto consumiria mais 700 hectares em plena Área de Proteção Ambiental da Lagoa Encantada, sobre remanescentes florestais e ao lado de povoados de pescadores artesanais, a exemplo Areias, Juerana e Ponta da Tulha.
Denominado Porto Sul, o projeto contempla recursos de R$ 4 bilhões e, segundo o anúncio oficial, envolve aeroporto internacional, ferrovia Oeste Leste, minérioduto, retroporto, e uma nova zona industrial. O concreto agora é o escoamento do minério de ferro de Caetité para a China. A cidade, mais conhecida na Bahia pela produção de urânio, estaria sendo conectada a Ilhéus através de parceria público privada com a Bahia Mineração Ltda.
O Diário Oficial do dia 19 de março anunciou a abertura de 10 mil empregos. Em 4 de janeiro, o governo criou um GT entre as secretarias do governo para gerar um estudo preliminar, capaz de selecionar áreas potenciais para a construção do porto.
A primeira apresentação dos estudos, há um mês, indicou que a melhor área fica a 20 quilômetros da cidade de Ilhéus, ao lado de uma imensa lagoa natural, conhecida como Lagoa Encantada. O mirante de Serra Grande seria impactado pela nova imagem, com um porto em alto mar e grandes navios ao seu lado.
Este projeto é um absurdo! Tudo foi feito na surdina e impactará uma das regiões mais bonitas do Brasil, sem falar do fato que a Mata Atlântica do Sul da Bahia é um dos ecossistemas mais ameaçados do mundo.
Será que o desenvolvimento vale tanto? Será que nada mais é sagrado? Será que gerações futuras não podem receber de nós áreas preservadas, intactas? Será que tudo deve ser permitido em nome do “desenvolvimento econômico”?

Informativo

Caros cooperados, Estamos fechando o mês de abril e pedimos àqueles que ainda estão em aberto com suas cotas que nos contatem para acertarmos o mês, pois precisamos fazer os devidos pagamentos.Ainda temos camisas da COOPERBOM TURISMO para venda nos tamanhos pequeno, médio e grande, aos que desejarem adquirir uma, nos contatem, podemos enviar pelo correio para os que moram em outros estados.O nosso Banco de Talentos está aberto para novos cooperados que desejarem participar com seu trabalho e ajuda mútua. Participem, todos temos um talento para trocar!Estivemos em visita na última segunda-feira ao nosso mais novo parceiro, a INTERATIVIDADE, um Centro de Aventuras localizado em Itacaré-Bahia http://www.interatividadeitacare.com.brFomos convidados a participar da 5ª Conferência de Cooperativas em Hanoi, conforme e-mail anteriormente enviado, nos pediram para apresentarmos um projeto com o objetivo de diminuir a pobreza no mundo. A nossa cooperativa tem alguns já em estudo, mas se alguém tiver sugestões, por favor nos informe. "Sozinhos somos nada. Juntos podemos transformar o mundo!" Saudações Cooperativistas!

Convite

A Cooperbom Turismo foi convidada pela ICA-Associação Internacional de Cooperativas com sede na Suíssa, conforme destaque abaixo, para apresentar seu projeto na 5ª Conferência da Organização que realizar-se-á em 2 de Dezembro em Hanoi-Vietnan. Este convite para apresentarmos nosso projeto muito nos honra, pois é o reconhecimento da atuação da COOPERBOM TURISMO na sociedade através do turismo responsável e sustentável em seu objetivo para criar emprego e renda diminuindo a pobreza. Introduction Cto IA
...uniting, serving and representing co-operatives worldwide...
What is the ICA?Founded in 1895, the International Co-operative Alliance is an independent, non-governmental organisation which unites, represents and serves co-operatives worldwide. It is the largest non-governmental organisations in the world. ICA members are national and international co-operative organisations in all sectors of activity including agriculture, banking, fisheries, health, housing, industry, insurance, tourism and consumer co-operatives. Currently, ICA has 225 member organisations from 87 countries, representing more than 800 million individuals worldwide.Saudações Cooperativistas!